Sumiço de adolescente completa 19 dias e família busca por notícias (Luciene na foto ao lado da mãe)

Pais da jovem de 15 anos que desapareceu perto de portaria de condomínio da Grande BH se desesperam com a ausência de pistas, criticam atuação da polícia e se queixam da crueldade dos trotes

20160713071934125977i

Há 19 dias, a doméstica Luciene Dias de Carvalho Lopes, de 42 anos, pediu férias no trabalho e desde então mantém, na maior parte do tempo, o olhar fixo no portão do sítio onde mora, dentro do Condomínio Miguelão, em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

O descanso forçado só tem um sentido: a mãe de três filhos espera que a caçula volte e ponha fim à angústia que não a deixa dormir, se alimentar ou voltar a sorrir. Ana Paula, de 15 anos, está desaparecida desde 25 de junho, quando saiu de casa para ir a uma festa surpresa na casa de uma amiga, em um condomínio vizinho.

Ela chegou a ser vista na Portaria C do Miguelão, onde aguardava carona do pai da amiga. Mas, quando o homem chegou, ligou para a mãe informando não haver nenhum sinal da estudante. Aflita por notícias, a família cobra agilidade no trabalho policial e critica a falta de avanços na investigação, dizendo que vai lutar até o fim para encontrar Ana Paula.

Ontem, os pais da estudante receberam a equipe do Estado de Minas no sítio onde o pai, Paulo Carlos Lopes, de 53 anos, trabalha como caseiro. A frustração e o abatimento pela falta de notícias são visíveis. Notadamente angustiado, o casal diz se apegar à fé para tentar manter rotinas básicas, como dormir e se alimentar.

“Nos últimos dias, tenho conseguido dormir um pouco. Mas sempre acordo à noite e só vem o pior na cabeça. Fico pensando onde ela pode estar, se está bem, se está com fome ou com frio. E aí não durmo mais”, conta Luciene, com olhos marejados e uma mochila da filha nas mãos. “No dia em que ela sumiu, eu tinha chegado do trabalho por volta do meio-dia. Ela disse que já tinha lavado seu uniforme e calçado, e que o material estava arrumado. Agora só sobraram a mochila, os cadernos e a maquiagem, que ela gostava muito”, lamenta Luciene.

A saudade é tanta que o pai conta ter até escondido o copo em que Ana Paula tomava café todos os dias, por volta das 5h30. “Eu acordava às 4h e fazia o café fresquinho para ela antes da escola. Até hoje está na minha cabeça a lembrança dela com aquele copo na mão, comendo o seu biscoitinho. Não gosto de lembrar. Esses dias estão sendo os mais tristes de minha vida”, desabafou.

Apesar da apreensão, o casal mantém firmes algumas convicções. A primeira é de que a menina não teria planejado uma fuga. “Ela é muito apegada à gente. Muito tranquila, obediente, sossegada e amorosa. Ela sempre falava que nunca ia nos largar”, conta a mãe. Outra questão tem relação com o que pode ter ocorrido para Ana Paula ter desaparecido do ponto de ônibus, minutos antes de a noite cair, naquele 25 de junho. “Eu acredito que ela tenha sido forçada a entrar em um carro, porque ela nunca faria isso por sua vontade. Eu conheço a filha que tenho”, acrescentou Paulo.

Para ele, o tempo tem corrido de forma acelerada. “Os dias estão ficando curtos. Eu trabalho para espairecer a cabeça, mas todo dia eu, minha mulher e meus outros filhos tentamos encontrar alguma pista, com ligações e redes sociais, que possa levar à Ana Paula. Vou buscá-la em qualquer parte do mundo, se preciso for”, disse.

Segundo ele, a família também recebe trotes com frequência, com falsas informações sobre o paradeiro da adolescente. “Já fui em Casa Branca (distrito da vizinha Brumadinho), Macacos (distrito de Nova Lima) e até mandei gente averiguar no Rio de Janeiro, depois de receber notícias de que ela estava nesses locais. Isso só deixa a gente mais angustiado”, disse.

LENTIDÃO
Para ambos, a dor de não saber o paradeiro da menina fica mais forte diante da falta de novidades no trabalho policial. “Os policiais já vieram aqui inúmeras vezes, mas vêm nos pedir informações, e não trazer algo novo, que possa levar à menina. Falta empenho, falta agilidade”, criticou a mãe. Paulo vai além, e diz que pensa até em oferecer recompensa para quem informar a localização da filha. “Eles falam que estão monitorando pessoas e buscando informações. Mas o trabalho nunca mostra resultados”, queixou-se o caseiro.

Por meio de nota, a Polícia Civil informou que o caso está sendo investigado pela 3ª Delegacia de Nova Lima – onde o desaparecimento foi registrado – com apoio de duas unidades especializadas: a Divisão de Desaparecidos da Polícia Civil e o Departamento de Operações Especiais (Deoesp). Segundo a corporação, até o momento, 20 pessoas foram ouvidas e, como não há novidades sobre a localização da garota, o delegado responsável pela apuração não está falando sobre o caso. A polícia acrescentou que mantém contato periódico com a família da garota.

O mistério passo a passo

O que se sabe até agora…

» O desaparecimento (25 de junho)

17h20 – Ana Paula de Carvalho Lopes saiu de sua casa, no Condomínio Miguelão, em Nova Lima, para ir a uma festa de aniversário surpresa do namorado de uma amiga, em um haras próximo ao Condomínio Alphaville, na mesma região. A adolescente de 15 anos chegou a ser vista no ponto de ônibus na marginal da BR-040, próximo à Portaria C do Miguelão

17h45 – O pai da amiga que havia ido de carro buscar Ana Paula chega à Portaria C e liga para a mãe da menina informando que ela não estava no local combinado

17h48 – A mãe, Luciene de Carvalho Lopes, começa a ligar para o celular de Ana Paula, mas o telefone da adolescente está desligado. A família inicia uma busca à menina e, em seguida, aciona a Polícia Militar de Nova Lima

» A investigação

Uma equipe da 3ª Delegacia de Nova Lima investiga o caso, com apoio de duas equipes especializadas: uma da Divisão de Desaparecidos da Polícia Civil e outra do Departamento de Operações Especiais

Segundo a polícia, 20 pessoas foram ouvidas e outras são monitoradas

Apesar disso, a Polícia Civil reconhece que, passados 19 dias do sumiço, não há qualquer novidade sobre a localização da garota. Por esse motivo, informou a corporação, o delegado responsável não fala sobre o caso

» Procura-se

Desaparecidos na Região Metropolitana de BH

» De 0 a 17 anos
Ano     Desaparecidos     Localizados
2014     2.240     832
2015     1.709     722
2016*     647     298

» De 18 a 59 anos
Ano     Desaparecidos     Localizados
2014     2.251     1.292
2015     1.725     1.097
2016*     711     542

» Acima de 60
Ano     Desaparecidos     Localizados
2014     268     111
2015     195     98
2016*     92     50

* 2016 – Dados até 4 de julho

Fontes: Polícia Civil e família da adolescente desaparecida.

em.com.br

13/07/16