Sucessão de Maceió pode caminhar com a dupla Renan Filho-Rui Palmeira

42
RUI PALMEIRA deverá fechar aliança eleitoral com Renan Filho; nomes de peemedebistas na sucessão de Maceió são descartados ( Foto: Blog do Edvaldo Junior)

O xadrez da sucessão municipal de Maceió cada vez mais aproxima o PMDB do PSDB, um velho sonho de consumo dos caciques políticos, o senador Renan Calheiros e o ministro aposentado, ex-governador Guilherme Palmeira.

Na última semana de uma só vez, dois potenciais candidatos do PMDB foram descartados.
Um deles, o ex-ministro Vinicius Lages, atual chefe de gabinete do senador alagoano Renan Calheiros, vai ser indicado esta semana para exercer um cargo na direção nacional do Sebrae. Há 15 anos, o Sebrae Nacional teve outro alagoano em sua diretoria: Sergio Moreira.

Além disso, Vinicius Lages quebra o tabu: é o primeiro funcionário de carreira que vai assumir um cargo na direção nacional do Sebrae.

Outro nome também muito cogitado foi o do engenheiro Mozart Amaral, o tocador de obras na gestão (de oito anos) do ex-prefeito Cícero Almeida.
Mozart Amaral foi a Rádio Correio AM, no programa de França Moura e disse que não seria candidato à prefeito de Maceió.

Velho conhecido da família Calheiros, Mozart já assumiu cargos na Sumov e Casal por indicação de Renan é desde janeiro de 2015 o secretário de Desenvolvimento Urbano do governador Renan Filho.

Outros peemedebistas

Antes disso, o vice-governador Luciano Barbosa chegou a ser citado na euforia da vitória, quando Renan Filho chegou ao governo. Mas Luciano deu logo um fim na conversa, anunciando que jamais renunciaria seu domicílio eleitoral na cidade de Arapiraca onde foi prefeito por oito anos.

Restava o nome do Secretário de Segurança, promotor público Alfredo Gaspar de Mendonça. Seu nome é sempre lembrado, mas ele também pôs um basta conversa: “Não serei candidato a prefeito de Maceió e quero continuar fazendo o meu trabalho para diminuir os índices de violência de meu Estado”.

Além disso, Doutor Alfredo Gaspar tem um impedimento à vista: para ser candidato a prefeito, teria que renunciar a sua brilhante carreira de Promotor de Justiça. Ele não deseja isso. Seu sonho de consumo na vida pública é chegar a desembargador do Tribunal de Justiça.

E sabe, por que ?
Seu avô de qual herdou o nome, Alfredo Gaspar de Mendonça – foi um dos desembargadores mais respeitados daquela corte, nomeado que foi pelo ex-governador Muniz Falcão. Chegou a presidência do Tribunal de Justiça no governo Lamenha Filho.
Daí que se conclui que as quatro joias do PMDB para enfrentar o tucano Rui Palmeira, aos poucos foram se descartando gerando a possibilidade de um acordo entre Rui e Renan Filho visando a próxima eleição.

Mas o martelo ainda não foi batido por uma razão simples: o governador Renan Filho guarda uma mágoa do tucano Rui Palmeira que na reta final decidiu apoiar o senador Benedito de Lira (PP) na disputa com ele ao governo e fez a estrutura do PMDB aumentar seu trabalho para não perder na capital.

No entanto como em política não se pode guardar mágoa, tudo pode acontecer agora em 2016, mas a decisão final vai passar por Brasília.

Afinados, Renan Filho e Rui Palmeira, poderão reviver, como é tradição em Alagoas uma dobradinha que vai durar muito tempo como foi a de Guilherme e Suruagy.

Almeida no escanteio

O ex-prefeito Cicero Almeida (PSD) já entendeu o recado. Segundo o próprio, desde o ano passado que vem tentando agendar um encontro com o senador Renan Calheiros (PMDB) para acertar os ponteiros visando a eleição de outubro.

Mas, Renan até hoje não deixou Cícero Almeida entrar na sala da discussão sucessória de Maceió.
E os bastidores indicam que é por uma razão muito simples: Cícero Almeida não é confiável. O número de políticos que foram traídos por ele é enorme, desde do saudoso Geraldo Sampaio até o ex-deputado, o usineiro João Lyra.

Almeida ganhando a disputa pela terceira vez para a prefeitura de Maceió desejaria alcançar outro sonho de consumo: ser governador de Alagoas e aí teria um confronto direto com Renan Filho quando da sua reeleição.

Pelo que se enxerga, o caminho aponta para a reeleição do tucano Rui em Maceió que apoiaria o peemedebista Renan Filho em 2018.

Tribuna do Sertão