SSP faz balanço de ações policiais que resultaram em mortes e prisões em AL

Para a secretaria, os 12 presos e os 6 mortos praticavam crimes no interior. Casos são dos municípios de Campo Grande, Joaquim Gomes e Arapiraca.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP-AL) apresentou, nesta sexta-feira (17), um balanço das ações policiais que resultaram na prisão de diversos suspeitos de envolvimento em crimes nos municípios de  Campo Grande, Joaquim Gomes, e Arapiraca.

Os presos foram identificados como Pollyane Correia dos Santos, a “Polly”, 32, Renata Cândido Teixeira, 32, Helielson da Silva Rêgo, o “Paulista”, 24, João Lucas de Alencar Vasconcelos da Silva, 19, Maria de Lourdes dos Santos, 42, Jordane Tavares de Lima, 21, Gerson Tavares de Lima, 56, Rafael José da Silva, o “Fael”, 27, Paulo Henrique Freitas Figueiredo da Silva, 19, Manoela Marques dos Santos, 26, Jailson Tavares e um outro homem identificado apenas como “Grampão”.

Todos eles negam envolvimento em crimes, exceto Manoela e Fael, que não quiseram falar com a imprensa, e Grampão e Jailson, que não foram apresentados na entrevista coletiva desta tarde.

Segundo o secretário de Segurança Pública, coronel Lima Júnior, os suspeitos foram presos em Maceió, Rio Largo, Novo Lino e Joaquim Gomes, na quinta (16). Exceto Grampão, preso semanas antes em Arapiraca.

A ação da polícia em Arapiraca aconteceu na última quarta (15), quando dois outros suspeitos, identificados como Maxwel Queiroz Da Silva e Hallisson Ferreira da Silva, morreram em confronto com a polícia. Com eles, foram apreendidas armas e munições.

Segundo o delegado Mário Jorge Barros, diretor da Divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic), eles e Grampão foram responsáveis pelo incêndio à agência da Caixa Econômica Federal em Arapiraca, e pelos ataques a prédios públicos no município de Campo Grande.

“Chegamos ao nome do Maxwel primeiro que os outros. Conseguimos ter certeza que ele estava envolvido no crime, pois nas imagens da câmera de segurança, vimos o suspeito com a camisa do time Vitória, atirando em direção a Caixa Econômica”.

Os outros presos, ainda de acordo com a polícia, têm envolvimento com o incêndio a uma viatura da Polícia Militar, cedida pela Força Nacional, em Joaquim Gomes. A operação neste município aconteceu na quinta (16).

Na ocasião, mais três homens e um adolescente morreram baleados. Segundo a polícia, eles reagiram à prisão. Eles foram identificados como Agnaldo José da Silva; Anderson Alves dos Santos, o “Bola”; Leandro José da Silva; e Bruno da Silva Campos, de 16 anos.

Para a SSP, todos eles fazem parte da mesma facção criminosa que age dentro e fora dos presídios, dividida em células em Arapiraca, Novo Lino, Joaquim Gomes, Maceió, Colônia Leopoldina e Rio Largo.

Ainda segundo as investigações, as mulheres são traficantes e comandavam a parte financeira da quadrilha. Os homens distribuiam as drogas. Quem chefiava essa parte eram Jailson Tavares, que dava ordens de dentro do Sistema Prisional, e Agnaldo José.

g1

18/02/2017