MPE denuncia dupla acusada de assaltar e bater em estudante na Jatiúca

Adolescente foi espancada até perder os sentidos

0eb069e4-2edb-47c7-b58c-c0bd27fa805f
Kleydson Anderson e Diego de Albuquerque, acusados de agredir adolescente, Foto: Ascom-PC

O caso ganhou repercussão devido ao grau de brutalidade: uma estudante, quando voltava para casa, foi espancada por dois homens num assalto ocorrido no bairro da Jatiúca. Os acusados foram identificados, indiciados pela Polícia Civil e, no final da tarde dessa quinta-feira (31), ambos foram alvo de uma ação penal ajuizada pelo Ministério Público Estadual de Alagoas. Diego de Albuquerque Silva e Kleydson Anderson Santos da Rocha foram denunciados pelo crime de assalto, com o agravante de terem causado lesão corporal grave à vítima M.E.D.A., em fevereiro último.

A denúncia foi feita pela promotora de Justiça Dalva Tenório, titular da 59ª Promotoria de Justiça da Capital. Segundo ela, Diego de Albuquerque Silva e Kleydson Anderson, “conscientes e voluntariamente, subtraíram da vítima menor M.E.D.A. um aparelho celular da marca Apple, modelo 5C, de cor rosa, IMEI nº 358546055013650, nº de série DV6MP01CFFTN e um fonte de ouvido, com emprego de violência e grave ameaça, utilizando-se de arma de fogo e deixando a vítima desmaiada devido a lesões graves causadas”.

Na ação penal, a promotora também alega que, mesmo após a adolescente ter entregues seus pertences aos dois acusados, que estavam numa motocicleta Yamaha XTZ150, Crosser, cor branca e placas OHJ 7836, e sequer ter reagido ao assalto, Diego de Albuquerque agrediu a garota “violentamente com socos e chutes, até o momento em que ela desfaleceu devido a brutalidade dos golpes sofridos, vindo a recobrar os sentidos 5 minutos após as agressões, com seu rosto lavado de sangue, sendo socorrida por populares e encaminhada ao Hospital Arthur Ramos”.

A identificação dos acusados e a confissão

De acordo com o Ministério Público, a vítima só conseguiu registrar o boletim de ocorrência depois de se recuperar das lesões e, após a abertura do inquérito, a polícia judiciária começou a receber várias informações sobre os suspeitos por meio do seu Disk-Denúncia. Identificada a dupla responsável pelo roubo, ela foi ouvida e Diego chegou a negar a prática delituosa, alegando que estava na praia, com a namorada, no dia do crime. Entretanto, Kleydson confessou o assalto e deu detalhes de como ele aconteceu. Inclusive, afirmou que tentou sair do local do fato após presenciar o espancamento, porém, teria sido “ameaçado” e, “por medo, já que Diego já foi preso e é perigoso”, permaneceu na Rua Augusto Cardoso, no bairro da Jatiúca.

A autoria comprovada

Para a promotora de Justiça Dalva Tenório, não restam dúvidas sobre a autoria e a materialidade delitiva do crime. “Elas estão comprovadas, notadamente, de acordo com o relatado pelas testemunhas, pela vítima em reconhecimento categórico, pelas imagens capturadas por câmeras de segurança, pela confissão de um dos acusados e pelas denúncias anônimas. Desta forma, não há qualquer excludente de ilicitude que socorra os denunciados”, diz um trecho da ação penal.

A acusação do Ministério Público

Diego de Albuquerque Silva e Kleydson Anderson Santos da Rocha foram denunciados pelo crime de roubo. Na ação, a 59ª Promotoria de Justiça da Capital, ao tipificar o ilícito, acrescenta que o assalto foi cometido com alto grau de violência, emprego de arma e por mais de uma pessoa, o que são considerados agravantes pelo Código Penal. Portanto, a denúncia os enquadra no artigo 157, § 2º, I e II, e § 3º, além dos artigos 14, I, e 29. E, por conta da violência que resultou em lesão corporal grave após o roubo, a pena prevista, que era de reclusão entre quatro e 10 anos, pode subir para até 15 anos.

Ascom/MPE