Morre o jornalista Eliakim Araújo, aos 75 anos. Leila Cordeiro descreveu últimos instantes da vida do marido

O jornalista com a mulher, a também repórter Leila Cordeiro
O jornalista com a mulher, a também repórter Leila Cordeiro

Nesta segunda-feira, a jornalista Leila Cordeiro usou as redes sociais para descrever os últimos instantes da vida do marido, o também jornalista Eliakim Araújo, que morreu no último domingo, aos 75 anos, em Fort Lauderdale, nos Estados Unidos, onde estava internado para o tratamento de um câncer no pâncreas.

“A enfermeira disse que o nosso querido estava nos ouvindo ainda. Por isso, nos demos as mãos, nossos filhos Alexandre, Frederico, Ana, Lucas e eu, e cada um se despediu dele à sua maneira. Sempre despejando sobre o nosso Eliakim todo o amor que sentimos por ele. E assim ele se foi”, escreveu a jornalista.

A viúva também afirma que está difícil continuar a vida sem o marido. “Queridos amigos, está difícil viver sem ele, muito difícil. É como se eu tivesse perdido a metade do meu corpo. Mas vou recuperá-lo em homenagem ao meu amor”, escreveu.

Outra informação dada por Leila é de que o corpo de Eliakim Araújo será cremado. Não haverá velório com o corpo do jornalista. De acordo com ela, o marido não gostaria que o vissem debilitado. A cerimônia de homenagem será em Fort Lauderdale, onde viviam juntos.

Leila aproveitou o espaço para agradecer a todas as homenagens e destacou o especial feito pelo Fantástico, exibido no mesmo dia da morte do jornalista.

O câncer do jornalista foi diagnosticada há um mês e Araújo chegou a se submeter a um tratamento de quimioterapia, mas não resistiu.

Eliakim Araújo formou, ao lado da mulher, o primeiro casal de apresentadores da televisão brasileira, ao comandar o Jornal da Globo, em 1983.

Nascido em Guaxupé, Minas Gerais, Araújo também comandou, na emissora carioca, o Globo Repórter, além das coberturas dos desfiles de escolas de samba do Rio de Janeiro e a eleição indireta de Tancredo Neves.

O jornalista se transferiu, junto da mulher, para a Rede Manchete, em 1989, quando ancoraram o principal telejornal da emissora.

O casal se mudou para os Estados Unidos em 1997 para trabalhar como âncoras do canal CBS Telenotícias, que transmitia em português. O projeto durou três anos e, mesmo após seu final, os jornalistas decidiram continuar morando nos EUA.

Recentemente Eliakim Araújo trabalhava com jornalismo online. Segundo a família, o desejo do jornalista era que seu corpo fosse cremado e a cinzas jogadas no mar.

noticias.band.uol.com.br

18/07/16