Menina de 12 anos luta na justiça para passar por cirurgia corretiva na coluna

Ana Clara, de 12 anos, sofre com uma escoliose tóraco lombar.
Custos de materiais para cirurgia chegam a quase R$ 138 mil.

A adolescente Ana Clara de 12 anos luta para tentar fazer uma cirurgia para corrigir um problema na coluna. A família da menina entrou com uma ação na Defensoria Pública do Estado no ano passado.

Alegre e comunicativa, Ana Clara sente falta da vida saudável que levava. “Eu corria, brincava, antes de acontecer isso eu brincava com minha colega no parque”, conta a menina.

A mãe de Ana Clara, Ana Celina, conta que a escoliose tóraco lombar alterou a rotina e saúde da filha. A doença tem caráter progressivo, o que indica a necessidade imediata de cirurgia.

“O médico avaliou a situação da minha filha e disse que ela num período máximo de seis meses tinha que passar por esse processo de cirurgia para tratar a escoliose, pra que não chegasse a outros problemas”, explica a comerciante.

Os exames mostram a deformidade em curva na coluna vertebral. No caso de Ana Clara, o problema se agrava por causa do acúmulo do líquido que vai até o cérebro e aumenta a deformidade e o risco da menina perder os movimentos.

A cirurgia pode ser feita na Santa Casa de Maceió. A junta médica já está formada, mas a lista de materiais chega é de R$ 137.900 e o sistema único de saúde (SUS) não cobre. O parecer da junta médica do Tribunal de Justiça (TJ-AL), emitido em novembro de 2016, pedia urgência de no máximo 60 dias para a cirurgia.

O médico Georges Basile, coordenador da Câmara Técnica de Saúde do TJ-AL, explica que são avaliados o grau da doença e os laudos do cirurgião especialista, para recomendar ao juiz a necessidade ou não de cirurgia. No caso da menina de 12 anos, não há dúvidas.

“Quando a escoliose é de um grau muito alto, ela começa a pertubar o funcionamento de outros órgãos. Por exemplo, o pulmão fica em determinada posição e quando a coluna se torce, ela acaba comprimindo o pulmão e diminuindo a capacidade dele se expandir. Do mesmo jeito que faz isso com esse órgão, ele pode fazer com outros órgãos”, conta o médico.

O especialista que acompanha o caso de Ana Clara, o médico Jon Mark, disse que existem pelo menos 10 casos idênticos sendo acompanhados em Alagoas. Em dezembro do ano passado foram feitas duas cirurgias somente após o bloqueio das contas do estado.

A vara da Infância e Juventude determinou na semana passada, por meio de uma liminar, que o estado cumpra a recomendação da Câmara Técnica de Saúde. Ou seja, que ele cubra imediatamente todos os custos da cirurgia de Ana Clara.

“A minha vida é péssima. Não consigo estudar, não consigo ler, não consigo fazer mais nada. Só vivo triste e isolada num sofá sem fazer nada”, lamenta Ana Clara.

Autorização
Por meio de nota, a Secretaria de Estado da Saúde garantiu que a cirurgia vai ser feita e que a compra do material cirúrgico foi autorizada pelo novo secretário de saúde. Com isso, o fornecedor irá entregar o material nos próximos dias e só depois a cirurgia será marcada pela equipe médica que está acompanhando a adolescente. Na nota, a secretaria não explicou porque demorou tanto para resolver esse problema.

g1

04/02/2017