Maceió vai sediar congresso sobre Síndrome de Down

DSC05859-1200x799-1-1024x682
Famílias de crianças com síndrome de down participam de gravação de vídeo convidando público para congresso nacional sobre o tema a ser realizado em Maceió. Foto: Maceió Convention

Nesta semana, um grupo de familiares e crianças com Síndrome de Down ligados a ONG Amor 21 gravou um vídeo na orla da Ponta Verde convidando outras famílias de todo o País para participarem do VIII Congresso Brasileiro sobre Síndrome de Down, que acontece em Alagoas em 2017. A ação faz parte de uma estratégia do Maceió Convention & Visitors Bureau, com o apoio da Prefeitura, para captar os mais diferentes eventos para a capital como congressos, encontros, fóruns e conferências.

De acordo com Jannyne Barbosa, secretária-adjunta Promoção do Turismo de Maceió, a ação reforça o objetivo traçado pela Prefeitura em 2015 de fortalecer o segmento do turismo de negócios e eventos para incrementar o fluxo turístico na cidade na baixa temporada. “Essa é uma iniciativa que a gente abraça porque queremos atrair diversos encontros, sejam de negócio, educação ou ciência para a capital. Já temos toda a infraestrutura necessária para abrigar grandes eventos, além de uma diversidade turística singular”, disse.

Somente no primeiro semestre de 2015, o turismo de eventos movimentou R$ 6,9 bilhões no Brasil, incluindo gastos dos viajantes com passagens aéreas, diárias de hotel, locação de veículos, meios de pagamento e serviços. Para aumentar a fatia de participação de Maceió nos números de 2016,  em julho do ano passado, a Semptur firmou uma parceria inédita com o Maceió Convention para apoiar a captação e estruturação dos eventos a serem realizados na capital.

IMG_3603
Recentemente o Centro de Convenções de Maceió passou por uma ampla reforma. Foto: Wesley Menegari

A filmagem do vídeo para o Congresso de Síndrome de Down foi realizada na Ponta Verde próximo ao totem “Eu amo Maceió” e estendeu o convite também para os participantes conhecerem as belezas da capital com o slogan “Experimente Maceió”.  A captação do evento foi realizada em parceria cm a ONG Amor 21, que atua em Maceió com o Projeto Bem Vindo ao Mundo.

“A ideia é acolher as famílias que acabaram de ter o diagnóstico da Síndrome, que geralmente é um momento complexo. Nossa principal missão é levar informações de qualidade para essas pessoas e incentivá-las a acreditar no potencial das crianças. Isso é muito importante para que as famílias propiciem aos seus filhos terapias adequadas para o seu desenvolvimento”, explicou Neila Sabino, presidente da ONG.

Durante o Congresso, as famílias de Maceió e de todo o Brasil, assim como profissionais da área de saúde e educação, vão trocar experiências e se atualizar. “Vão ser discutidas as últimas pesquisas, estudos e avanços científicos e políticos voltados para promover mais bem estar e inclusão das pessoas portadores de síndrome de down na sociedade”, complementou Neila, que é mãe de Arthur, de 02 anos, portador da síndrome.

DSC059471-800x270

Jannyne ressalta que a parceria do Convention com a ONG é muito positiva. “Esse público, em especial, que está sendo mobilizado pela Amor 21, nos interessa muito porque entendemos o potencial da cidade para acolher e incluir os mais diferentes perfis de turistas. Além disso, os participantes do congresso devem vir acompanhados de suas famílias, que vão ter a oportunidade de conhecer a cidade e desfrutar das mais diferentes experiências de lazer a capital oferece, avaliou.

A proposta do Congresso Brasileiro sobre Síndrome de Down é discutir as últimas pesquisas, estudos e avanços científicosDSC05849-1200x799-1024x682

Para Danielle Novis, à frente do Maceió Convention, o congresso vai ser uma oportunidade de chamar atenção para o tema da inclusão junto aos moradores, turistas e o trade da cidade. “Turismo é inclusão. Começamos uma aproximação com a Amor 21 no ano passado e estamos muito felizes com essa escolha de Maceió para sediar o congresso nacional. O evento vai trazer uma chance única de conhecermos mais sobre esse público (portadores de Síndrome de Down) e aprendermos como nos relacionar com ele. Vamos capacitar inclusive jovens adolescentes com Down para trabalhar no Congresso com atendimento ao público e outras atividades”, explicou.

Ascom/Semptur