Maceió tem maior elevação de preço da cesta básica no país, afirma Dieese

Segundo pesquisa, variação foi de 15,99% entre janeiro de 2016 e de 2017. Café, óleo de soja, farinha, leite e batata tiveram maior reajuste.

De janeiro de 2016 até o mesmo mês de 2017, Maceió teve a maior elevação de preço da cesta básica entre as capitais brasileiras, com 15,99%. Ao todo, 14 cidades acumularam alta, enquanto 13 tiveram reduções. Os dados são da pesquisa mensal do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Econômicos (Dieese), divulgada na última segunda-feira (6).

No estudo comparativo, Maceió aparece como a 13ª capital com a cesta básica mais cara do país.

Segundo o assessor econômico da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Alagoas (Fecomércio), Felippe Rocha, o motivo desse aumento é a elevação dos preços de produtos comumente comprados pelos alagoanos.

“Os alimentos que tiveram aumento foram café, óleo de soja, farinha, feijão, leite integral e batata, produtos essenciais na cesta dos brasileiros”, disse Rocha.

Os dados apontam também que, ao longo de 2016, o café, óleo de soja, farinha de mandioca, feijão, leite e batata foram alimentos que mais aumentaram de preço. De acordo com Rocha, o café aumentou em média 13,65%. Já o óleo de soja registrou reajuste de 22% e a farinha de mandioca, 35%.

A pesquisa ainda calculou quanto o trabalhador que recebe um salário mínimo tem que trabalhar para adquirir a cesta básica. Foram precisas 91 horas e 48 minutos de trabalho para comprar os itens essenciais da alimentação.

g1

08/02/2017