Jovem se entrega após irmão confessar participação na morte de família em São Gonçalo

Jovem se entrega após irmão confessar participação na morte de família em São Gonçalo

O delegado Fábio Barucke, titular da Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo, informou que Matheus Resende Khalil, de 23 anos, confessou a participação no assassinato de sua tia, Soraya Gonçalves, do marido dela e da filha do casal em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio.

O suspeito disse que seu irmão gêmeo, Lucas Resende Khalil, que teve a prisão decretada pela Justiça nesta quarta-feira, não estava no local das mortes. Lucas, que ainda assim é suspeito de envolvimento no crime, se entregou na delegacia de Saquarema, na Região dos Lagos, nesta quinta-feira.

Segundo o delegado, Matheus confirmou ainda a participação da mãe, Simone Gonçalves de Resende, irmã de Soraya. O rapaz contou que ela contratou duas pessoas para executar as vítimas. O jovem foi quem levou essas pessoas até a casa das vítimas, na última sexta-feira. Fábio Barucke informou ainda que pediu à Justiça a prisão de Matheus e Simone.

A polícia acredita que os assassinatos foram motivados por uma briga pela herança do pai de Simone e Soraya. Além disso, os investigadores creem que um ritual de magia negra pode ter acontecido no local das mortes. O delegado Barucke levantou a hipótese porque foram encontrados dentes perto dos corpos e, segundo ele, Simone é envolvida com magia negra.

– Esses dentes foram deixados no local pelos assassinos contratados por Simone – afirmou Barucke.

Segundo ele, duas armas foram usadas no crime: uma para matar Soraya Gonçalves de Resende e outra, para matar o marido dela, Wagner Salgado, que era diretor de eventos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em São Gonçalo. Já a filha do casal, Geovanna, de 10 anos, foi alvejada por disparos de ambas as armas.

Uma testemunha ouvida por Barucke contou que, no momento em que Simone recebeu a notícia das mortes, ela riu.

– Ela deu uma gargalhada e soltou a frase: “Nossos problemas estão resolvidos” – contou o delegado.

Arma oferecida no Facebook

Segundo as informaçõs que a polícia tem até o momento, Lucas enviou fotos oferecendo um revolver calibre 32 com silenciador para um amigo, pelo Facebook, na semana anterior ao crime. Uma arma do mesmo calibre, também com o acessório, foi usada para assassinar a família. A polícia acredita que o rapaz queria garantir que conseguiria se desfazer da arma após ela ser usada nos assassinatos.

Na imagem enviada para o colega, Lucas está usando a mesma pulseira com a qual ele aparece numa foto postada pela sua namorada no Facebook.

Briga judicial

A briga judicial envolvendo o inventário do pai de Soraya já se arrasta há 20 anos. O processo que tramita na 6ª Vara Cível de São Gonçalo. Wagner atuava como advogado no caso.

Em meio à disputa, em 2014, Soraya, que é adotada, chegou a pedir na Justiça que houvesse prestação de contas no inventário do pai. A solicitação ainda foi julgada.

extra

23/02/2017