Família diz que menina foi baleada por policiais na Zona Leste; bala segue alojada

Moradores da região fizeram protesto contra ação da polícia na Vila Prudente.

A família da menina de seis anos baleada durante uma operação policial na Vila Prudente, Zona Leste de São Paulo, na noite desta quarta-feira (1) afirma que o tirou partiu de um policial militar. A menina está internada em estado estável, mas a bala segue alojada no ombro, segundo o Bom Dia São Paulo. Ela foi transferida para Hospital do Tatuapé na manhã desta quinta.

Maria Helena Pereira Rodrigues, avó da criança, afirma que os policiais da Tropa de Choque chegaram atirando e depois que a menina foi baleada, os policiais não a ajudaram.

“Do jeito que eles viraram já foram atirando. Eles não respeitaram, não queriam saber o que tinha na rua, já foram atirando.. Começaram a atirar e eu me apavorei e ela gritou: “vó, está doendo, está doendo”. E eu caçava no braço. Quando eu passei a mão nela estava pingando sangue. Aí eu comecei a gritar por eles [policiais], me ajuda. Eu falei: me ajuda. E eles: vai lá pra frente, se vira”, disse Maria Helena.

A Polícia Militar disse que os policiais estavam em patrulhamento de rotina na comunidade e foram agredidos durante uma abordagem, mas negam que tenham atirado.

“O que chegou pra nós e ainda precisa ser confirmado é que a criança foi atingida por uma arma de fogo – o que precisa ser confirmado. O que chegou pra nós é que os policiais não revidaram os disparos que foram contra eles. O que chegou pra nós até agora é que não houve disparo de arma de fogo”, disse o major Miguel Elias Daffara, da PM.

Depois que a menina foi baleada, moradores da região começaram um protesto por volta das 23h. Os manifestantes tomaram ônibus e caminhões para protestar.

g1

02/03/2017