Desafio é superar o mito de Alfredo Gaspar no combate à violência em Alagoas

alfredo
A queda do gestor responsável por tirar Alagoas do topo do vergonhoso ranking de mortes violentas pegou de surpresa o governador Renan Filho (PSDB). Autoridades e representantes da sociedade civil lamentaram a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que decidiu barrar, na noite da última quarta-feira (9), a atuação de integrantes do Ministério Público em cargos do Executivo de todo o País. Em Alagoas, a decisão resultante do questionamento do DEM sobre a nomeação do procurador de Justiça baiano para o cargo de ministro da Justiça fez uma vítima. O secretário de Segurança Pública, promotor de Justiça Alfredo Gaspar de Mendonça deve deixar o cargo até o final de março. Seu sucessor herdará a missão de manter a violência em declínio e garantir que a política pública supere o mito criado em torno do xerife e do fortalecimento da repressão da deflagrada e contraditória “guerra pela paz”.

O CadaMinuto Press apresenta o legado de Alfredo Gaspar, que reduziu o número de crimes violentos letais e intencionais (CVLIs) em 18%, em 2015, com relação ao ano anterior.

A opinião de alagoanos sobre o trabalho de Alfredo e as perspectivas de promoção da paz sem o xerife:

CORONEL LIMA JUNIOR, Comandante da PM

É um fato lamentável para sociedade alagoana, para o Estado, o Governo e para todos. Agora que o maior legado que ele irá deixar é que, junto com o governador Renan Filho, implantaram uma segurança pública de estado. Uma segurança pública de estado ela está acima de nomeações de A,B ou C, e da exoneração de A,B ou C. Então o que nós temos de passar para sociedade é que os órgãos de segurança pública tiveram o privilégio de aprender com dr. Alfredo e como bons alunos, nós iremos manter o mesmo ritmo enquanto ele estava titular da pasta. Não haverá nenhuma mudança na postura operacional das policiais, até porque a sociedade está acima das nomeações. Acredito que nós temos que nos unir ainda mais, trabalhar mais, pois essa seria a verdadeira homenagem que a Segurança Pública poderia fazer como de reconhecimento do trabalho do dr. Alfredo.

LUCIANO BARBOSA – Vice-governador

“São duas situações. Uma que é decisão do STF e vamos cumprir. Mas, logicamente que lamentamos, porque o trabalho vinha sendo muito bem feito, o secretário Alfredo Gaspar era além de operacional, uma ponte perfeita entre o governo, a corporação e o povo. Mas, não podemos incorporar esse sentimento de perda. Temos que colocar um nome que dê sequência e isso será feito muito em breve”

KEMANN VIEIRA – Presidente da Câmara e delegado

“Lamentei muito essa decisão e consequentemente a saída do secretário. Uma pessoa capacitada, que rapidamente entendeu a necessidade do governo e da população. Estava próximo da tropa, tinha a confiança do povo. É uma perda irreparável. Mas, é esperar que independente de quem o substitua, dê sequência ao trabalho e não tenho dúvida de que isso vai acontecer”.

MANOEL MESSIAS MOREIRA MELO – Diretor-geral da Perícia Oficial

“Dr. Alfredo Gaspar é um homem de inteligência emocional ímpar, e sua saída do comando da cúpula da segurança pública será uma perda de dificílima reparação, pois ele foi capaz de unir todos os órgãos de segurança de forma jamais vista em nenhum lugar do país. O momento é de apoiar o governador Renan Filho para que a transação se dê de forma menos traumática possível para a sociedade alagoana. O legado da cultura de integração proporcionado pelo Dr. Alfredo continuará dando bons frutos”.

PEDRO MONTENEGRO, Consultor de políticas de segurança pública

“Lamento a decisão do STF que ao analisar um caso provocou uma repercussão danosa excluindo todos os membros dos ministérios públicos a integrar o executivo. Agora a troca de secretário é uma coisa natural. O estado não pode depender de apenas uma pessoa , umas das regras existentes na constituição é a interpessoalidade”

JOSIMAR MELO – Dirigente do Sindipol

“A saída do Alfredo Gaspar é lamentável, mas é uma decisão do STF que precisa ser cumprida. Infelizmente nós poderemos ter uma interrupção das atividades implantadas na Segurança Pública do Estado. Nesse momento não podemos falar em algum nome para substituição, como sindicato, mas é possível encontrar pessoas competentes para assumir a pasta”

CABO LIMEIRA – Associação dos Cabos e Soldados

“Vai trazer um prejuízo geral para as Associações Militares, pois dr. Alfredo tem se preocupado com a categoria e passamos a receber um atenção que antes não tínhamos. Hoje nós temos um secretário que vai para ruas, conhece a realidade dos policiais nas ruas e suas principais dificuldade. Podemos dizer que ele sentiu de perto como é ser um policial militar, coisa que todos os militares não via há muitos anos. Será uma tarefa muito difícil substituir uma pessoa como dr. Alfredo”

PAULO CERQUEIRA – Delegado-geral da Polícia Civil

“A saída do Dr. Alfredo foi muito prematura, tendo em vista sua postura e os diversos projetos capitaneados por ele para estruturar a segurança pública no Estado. Ele elevou o moral dos policiais, fazendo com que houvesse uma maior motivação por parte dos policiais. Ele apoiava os policiais dia e noite. Exerceu plenamente liderança. A segurança pública precisa continuar trilhando o caminho traçado por ele, entre as medidas permanecer com as reuniões diárias de planejamento e acompanhamento das operações policiais. Como também adotar como regra, ampla e irrestrita, a integração das forças de segurança pública do Estado”

SÉRGIO JUCÁ – Procurador-geral de Justiça

“Essa decisão do Supremo Tribunal Federal é a maior derrota do povo alagoano dos últimos tempos. Vamos perder o melhor secretario de Segurança Pública da história do nosso Estado. Alfredo Gaspar de Mendonça se tornou uma unanimidade nos quesitos de competência e eficiência de um cargo difícil de exercer em qualquer lugar do Brasil. Mas, como procurador-geral de Justiça, estou satisfeito com o retorno de Alfredo à carreira do Ministério Público, onde ele sempre foi um dos destaques da instituição, ocupando relevantes funções na defesa dos interesses da sociedade, a exemplo da promotoria no Tribunal do Júri na capital e na coordenação do Grupo de Combate às Organizações Criminosas”.
Cada Minuto