Depois de divulgação, Governo do Rio cancela compra de framboesa, mirtilo, salmão, picanha e filet mignon

Licitação previa gastos de quase 380.000 reais para a compra de alimentos para os palácios da Guanabara e Laranjeiras

O governador em exercício do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles.
O governador em exercício do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles.

Apesar de ter decretado estado calamidade pública motivado pela grave crise financeira, o governo do Rio de Janeiro havia mantido uma licitação de 378.853,54 reais para a compra de alimentos, cuja lista incluia frutas, peixes e carnes nobres, como framboesa e mirtilo, salmão e robalo, filet mignon e picanha. A contratação estava prevista para esta terça-feira, mas foi cancelada hoje, após a rádio CBNRio veicular a informação

Segundo o edital, os alimentos seriam usados na preparação de “refeições que são servidas durante reuniões, solenidades e demais eventos rotineiros nos Palácios Guanabara e Laranjeiras”. Entre as iguarias, estavam previstos gastos de 32.000 reais com filé mignon, alcatra e picanha; 32.971,00 reais com salmão, cherne e robalo; e 30.362,30 reais com frutas – entre elas, cereja chilena, framboesa, amora e blueberries.

Em relação às bebidas, o governo iria gastar 50.860,20 reais com 6.000 cápsulas de café para máquina. A lista também inclui legumes, verduras, molhos, e arroz de diferentes tipos (arbóreo, sete grãos, negro, selvagem), farinhas (de rosca, de trigo, de fubá de milho), chocolates, frios e laticínios.

Procurada, a assessoria de imprensa do governador interino Francisco Dornelles afirmou que a medida foi cancelada hoje.

A decisão de decretar estado de calamidade pública foi tomada na última sexta-feira e publicada noDiário Oficial do Estado. O decreto visa a garantir o cumprimento das obrigações estaduais com a realização dos Jogos Olímpicos, que terão início em agosto. Entre as razões apresentadas para tomar tal medida, Dornelles incluiu a crise econômica que atinge o Estado, a queda na arrecadação com o ICMS e os royalties do petróleo, a dificuldade do Rio em honrar os compromissos para a realização dos Jogos e as dificuldades na prestação de serviços essenciais, como segurança pública, saúde, educação e mobilidade.

Site:veja.abril