Cientista viu zika atacando cérebro de cobaia em 1971

zika-350x236
Zika havia sido descoberto

Um grupo de cientistas realizou em 1971 um experimento no qual camundongos infectados por zika apresentaram graves problemas no sistema nervoso. Durante 45 anos, a informação permaneceu enterrada nos arquivos da literatura médica, até o vírus se tornar um problema de saúde pública.

O trabalho, analisado em retrospectiva, é provavelmente o primeiro registro sugerindo que o patógeno transmitido por mosquitos pode causar problemas de desenvolvimento neurológico como a microcefalia.

O experimento, realizado pelo grupo do virologista Harash Narang, do Hospital Geral de Newcastle (Inglaterra), foi descrito em estudo na revista alemã “Archiv für die gesamte Virusforshcung” (Arquivos de Virologia Geral). Até a epidemia de zika se tornar um problema de saúde global, porém, o artigo só havia sido citado seis vezes.

O que Narang fez junto de dois colegas foi injetar o vírus no cérebro de camundongos adultos (com cinco semanas) e recém-nascidos. Os cientistas relatam ter observado que o zika conseguia se reproduzir dentro do cérebro, provocava inflamação e causava a morte de neurônios no hipocampo, estrutura cerebral essencial para a formação de memórias.

“A replicação do vírus em neurônios indica que sua destruição, vista de modo claro sob a luz em microscópios, se deve especificamente à infecção por zika”, escreveram Narang e seus colegas.

O zika foi descoberto em 1948, em macacos na Uganda, e passou quase duas décadas anos gerando pouco interesse de cientistas. Com os primeiros casos em humanos descobertos em 1964, o interesse no patógeno aumentou um pouco, mas naquela época não havia evidência de que o zika pudesse interferir com o desenvolvimento neurológico.

O trabalho de Narang, porém, não pareceu particularmente alarmante, porque uma injeção intracraniana não é um modelo totalmente adequado para simular uma infeção real por zika, que entra pela corrente sanguínea. Não estava claro se, em camundongos, o vírus seria capaz de cruzar a chamada barreira hematoencefálica, que separa o cérebro da circulação sanguínea.

Já havia o relato de que, em humanos, o zika conseguia cruzar a barreira hematoencefálica, mas os casos conhecidos até então não eram acompanhados de dano neurológico.

Redescoberta
O experimento de Narang foi relegado então aos porões da história da ciência até que, no final de 2015, Jason Tetro, biólogo canadense que estuda a história da microbiologia, encontrou seu estudo.

Em artigo publicado em janeiro de 2016 na revista médica “Microbes and Infection”, quando a ligação entre o zika e a microcefalia já havia sido noticiada pela imprensa de virtualmente todo o mundo, Tetro descreveu a história da pesquisa do vírus anterior a sua reemergência de 2007, mencionando Narang. O estudo de 1971 começou então a ser mencionado por outros cientistas e, em dois meses, recebeu o mesmo volume de atenção que havia demorado quatro décadas para acumular.

Desde o fim do ano passado, cientistas estão usando camundongos para tentar simular a infecção por zika. Nenhum trabalho teve resultado publicado até agora. Estudos de infecção usando métodos mais sofisticados, como aglomerados de neurônios cultivados em tubos de ensaio, já mostraram que o vírus é capaz de afetar o sistema nervoso.

G1