Bolsa vira após pedido de prisão de Lula e fecha no maior nível em 7 meses

bolsa-de-valores-17

Após chegar a cair mais de 1,5% durante a tarde, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, mudou de direção por volta das 16h20 desta quinta-feira (10). Fechou em alta de 1,86%, a 49.571,1 pontos, no maior nível desde 6 de agosto do ano passado, quando havia fechado a 50.011,32 pontos.

Nesta tarde, o Ministério Público de São Paulo apresentou denúncia contra Luiz Inácio Lula da Silva e pediu a prisão preventiva do ex-presidente.

A alta vem após duas quedas seguidas da Bolsa. Antes disso, no entanto, a Bovespa havia subido por seis pregões consecutivos. O índice já acumula valorização de 15,84% no mês e de 14,35% no ano.

Mercado x política

Acusações contra membros do PT, partido da presidente Dilma Rousseff, têm sido encaradas como positivas por alguns investidores. Eles acreditam que uma mudança no governo ajudaria o país a recuperar sua credibilidade perante o mercado.

Outros ressaltam, porém, que a perspectiva de turbulências políticas causa instabilidades e não há garantia de que uma eventual troca de presidente traria um quadro mais favorável para a economia brasileira.

Ação da Petrobras sobe há 9 dias

As ações preferenciais da Petrobras (PETR4) avançaram 4,61%, a R$ 7,95. Foi o nono pregão de alta.

As ações ordinárias da Petrobras (PETR3) fecharam em alta de 2,62%, a R$ 9,81.

Gerdau e Usiminas sobem, mas Vale cai

As ações do grupo siderúrgico Gerdau avançaram nesta sessão. Os papéis da Gerdau Metalúrgica (GOAU4) avançaram 14,97%, a R$ 2,15, e lideraram as altas do Ibovespa. Os do grupo Gerdau (GGBR4) subiram 9,59%, a R$ 5,37.

A Usiminas também teve suas ações entre as maiores altas desta quinta-feira. Os papéis da companhia (USIM5) subiram 9,9%, a R$ 2,11.

Já a mineradora Vale registrou perdas pelo quarto dia consecutivo. As ações ordinárias da Vale (VALE3), com direito a voto em assembleia, perderam 3,45%, a R$ 14. Já as ações preferenciais da Vale (VALE5), com prioridade na distribuição de dividendos, caíram 6,89%, a R$ 10,13.

As ações foram influenciadas pela queda no preço do minério de ferro na China, principal cliente da mineradora.

Itaú e Bradesco avançam

As ações do Itaú Unibanco (ITUB4) subiram 3,92%, a R$ 32,06, e as ações do Bradesco (BBDC4) tiveram alta de 2,99%, a R$ 25,85.

As ações do Banco do Brasil (BBAS3) subiram 5,91%, a R$ 21,50.

Os papéis dos bancos foram influenciados pelos desdobramentos do cenário político.

Dólar cai a R$ 3,641

No mercado de câmbio, o dólar comercial fechou em baixa de 1,5%, a R$ 3,641 na venda. Com isso, a moeda norte-americana atingiu o menor valor desde 31 de agosto de 2015, quando terminou o dia valendo R$ 3,627.

Essa foi a terceira queda seguida do dólar, que havia caído 1,12% na véspera. Nos últimos oito pregões, a moeda perdeu valor em sete. O dólar já acumula queda de 9,04% no mês e de 7,77% no ano.

Bolsas internacionais

As principais Bolsas da Europa fecharam em queda, exceto a da Espanha, que teve leve alta.

  • Espanha: +0,07%;
  • Portugal: -0,11%;
  • Itália: -0,50%;
  • França: -1,70%;
  • Inglaterra: -1,78%;
  • Alemanha: -2,31%

Parte das Bolsas da Ásia e do Pacífico terminou o dia com alta, enquanto outras fecharam em queda. A da China tombou 2%.

  • Japão: +1,26%;
  • Coreia do Sul: +0,84%;
  • Taiwan: +0,31%;
  • Cingapura: -0,05%;
  • Hong Kong: -0,06%;
  • Austrália: -0,14%;
  • China: -2,03%;

UOL/Reuters