Após pane, piloto abandonou copiloto em avião com 442 kg de droga

Copiloto de 57 anos foi preso em flagrante por tráfico de drogas.
Carga de cocaína pura apreendida está avaliada em R$ 10 milhões.

aaaeronavedroga1700

Depois de fazer pouso forçado em uma plantação de soja, no município de Vale do São Domingos, a 491 km de Cuiabá, nesta quarta-feira (9), o piloto de um avião que transportava 442 kg de cocaína pura abandonou o copiloto na aeronave, que foi preso em flagrante. Ele disse à polícia que a droga seria levada até uma fazenda em Cáceres, a 220 km de Cuiabá, ainda na região de fronteira com a Bolívia.

O piloto do avião fugiu levando o GPS, para tentar dificultar a identificação da rota. No entanto, deixou a chave da aeronave na ignição, segundo a polícia.

Os moradores da Fazenda São Paulo, onde foi feito o pouso forçado, foi quem comunicou o caso à polícia. O copiloto de 57 anos não deixou a carga e o avião, que tinha sido fretado, segundo a Polícia Civil. Ele já tinha sido preso em 2013 pela Polícia Federal com um avião com  drogas, em Colíder, a 650 km a Norte de Cuiabá. O tráfico de aeronaves na região já vinha sendo investigado pela polícia.

O delegado da Polícia Civil, Vitor Chab, de Pontes e Lacerda, a 483 km da capital, informou que o piloto parou na propriedade rual para abastecer o avião e ao levantar voo perdeu o controle do avião, supostamente por problemas mecânicos na aeronave, sendo necessário fazer pouso forçado.

“Na segunda entrevista preliminar, o suspeito que está preso disse que saiu do município de Bela Vista, em Mato Grosso do Sul, e iria para uma fazenda nas proximidades de Cáceres, mas ainda estamos checando essa informação”, disse o delegado. O piloto é natural de Belém (PA).

droga-aviao

A droga foi levada para Pontes e Lacerda, onde foi incinerada em uma olaria. “Essa droga deve valer mais de R$ 10 milhões”, afirmou.

O delegado de Comodoro, a 677 km de Cuiabá, André Ribeiro, informou ter recebido denúncias de tráfego aéreo de aviões e que o caso vinha sendo monitorado. “Recebi a informação de que essa região era usada como arremesso de droga e pouso de avião. Vamos continuar monitorando essa região”, frisou.

O avião foi retirado da lavoura e levado para a sede da fazenda. Porém, deve ser levado para o hangar da Secretaria Estadual de Segurança Pública, no aeroporto Marechal Cândido Rondon, em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, por uma equipe do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer).

O proprietário da aeronave, que mora em Cuiabá, se apresentou à polícia, na Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE), na capital, e, em depoimento, alegou que tinha fretado a aeronave. Também apresentou contrato de compra e venda do avião.

G1