Turma de Zé Carlos age como a turma de Zé de Dorinha

Querid@s, o último texto publicado em nosso blog sobre o pedido de transparência foito pelo vereador Cargilson, rendeu bons e ontológicos comentários, algo a ser estudado.
Quando a turma de Zé de Dorinha comandava o município, coisa de um mês atrás, os partidários de Zé Carlos demonstravam uma higidez moral lapidar.
Comentários sobre a prestação de contas, transparência no trato com a coisa pública, condenações verbais sobre a conduta dos antigos administradores, eram frequentes, bastou Zé Carlos assumir a prefeitura que parte considerável de seus seguidores começaram a relativar a moral antes propalada.
No debate sobre o último texto, ficou claro a hipocrisia e até a falta de vergonha na cara de alguns, sacaram argumentos pobres e ingênuos para quem se pretende estabelecer um debate público.
Coisas como, ah, antes ninguém reclamava, no tempo de Zé de Dorinha ninguém fiscalizava e etc.
Aí eu te pergunto, aqueles que condenavam os erros do antecessor, o faziam por oportunismo político ou por que acreditavam de fato no que diziam?
Se era errado na administração passada, também deve continuar sendo agora, se Zé Carlos cometer os mesmos erros, deve ele ser escrutinado a prestar esclarecimentos.
Não se admite que pessoas que visam apenas o benefício pessoal tentem maquiar a realidade só porque estão recebendo um salário ou favores outros, sejamos mais dignos.
Vale dizer que não estou a generalizar, pois toda generalização é injusta com a exceção.
O certo é o certo aqui, na China, no Iraque ou em qualquer outro lugar.
De nossa parte reafirmamos nosso compromisso em questionar, cobrar e fiscalizar o poder, o que valia para Zé de Dorinha também vale para Zé Carlos.
O pau que bate em José também bate em Zé.
Nossa missão não é destruir ninguém, mesmo porque não temos esse poder nem essa intenção, mas tão somente exigir melhorias para população.
Fonte: Blog do Camilo Cinfuegos (http://camilocienfuegos1.blogspot.com.br/)